DANÇAS DA PAZ UNIVERAL


No círculo, por meio de palavras ou frases significativas de diferentes tradições espirituais (cristã, judaica, islâmica, hindu, budista, dentre outras), entoamos o canto, som/vibração, que nos auxilia a criar um espaço-tempo sagrado e diferenciado de outros momentos do nosso cotidiano, propiciando em nós o sentimento de Unidade da Vida: “Somos Todos Um”.

Os gestos são simples e nos propõem o contato com formas que inspiram nossa cumplicidade na roda: mãos nos ombros em gesto de irmandade; braços ao alto em louvor; mãos em prece com reverência, humildade; palmas das mãos singelas e receptivas; giros de transformação e olhares de reconhecimento de si no outro.

A roda pulsa para um lado e outro; contrai e expande, criando um campo onde o Eu se encontra consigo mesmo e simultaneamente se funde no outro, na roda, numa experiência de completude.

Este trabalho foi iniciado no final da década de 60 pelo Mestre Sufi Murshid Samuel Lewis, inserido num ideal de Unidade Espiritual entre as tradições da Terra e resgate da essência divina em cada ser e de valores espirituais na vida.